“Os anagramas de Varsóvia”

Combinar uma história policial com os horrores de viver no gueto judaico durante a dominação nazista pareceu-me estranho, como querer juntar duas ideias que não se casavam. Ainda assim, fiquei curiosa e comprei o livro.

Richard Zimler conseguiu misturar bem os gêneros, cultivando a curiosidade do leitor tanto sobre a vida no gueto como sobre o motivo pelo qual os crimes estão sendo cometidos. Minha única ressalva é que há alguns momentos piegas, ainda que poucos.

Erik é um idoso enclausurado no gueto polonês com sua sobrinha e sobrinho-neto. Quando este último é encontrado morto e preso no arame farpado que divide o gueto do resto de Varsóvia, Erik passa a viver em função de descobrir o que aconteceu com o garoto.

Algo que eu não sabia sobre o período nazista era o mercado negro que se formou entre o gueto e o resto da cidade, sendo que túneis e prédios com saídas para ambos os lados eram usados para contrabandear toda sorte de itens (e pessoas). Esse ambiente clandestino é o elo entre a parte histórica e a parte policial do livro.

(foto por Cristiano Cittadino Oliveira)

 

1 comentário

O que você acha? Deixe uma resposta.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s