Não sei para quem torço!

Eu adoro torcer pelos meus preferidos no Oscar. Este ano, não sei quem é minha atriz principal preferida! Cate Blanchet está excelente em “Blue Jasmine” e Sandra Bullock segura um filme inteiro sozinha, em “Gravidade”. Então assisto a “Philomena” e acrescento Judi Dench às atuações soberbas.

Foto tirada do wikipedia

Foto tirada do wikipedia

Para uma mãe às vésperas de terminar a licença-maternidade, a escolha do filme não poderia ser pior: adolescente que, deserdada pelo pai, é recebida em convento, sob a condição de abrir mão de seu filho. Cinquenta anos depois, com a ajuda de um jornalista intelectual e metido, busca esse filho “roubado” e entregue à adoção. Acabei chorando, claro.

Um filme triste. E tocante. E bem-executado. E que te faz pensar em tantas questões envolvendo família, falta de apoio, se é certo querer ditar como os outros devem viver a vida, opção por ter raiva ou ser polyana, tempo pedido,…

Steve Coogan também está muito bem no papel do jornalista que tinha tudo e agora caiu do pedestal. Culto e acostumado com mordomias, sofre com a simplicidade da senhora que lê romances estilo Sabrina/Júlia/Bianca e que nunca esteve num hotel com chocolatinho no travesseiro. Esses contrastes causam risos no meio do tema sério.

2 comentários

  1. Philomena ainda não vi. E já estou com dúvidas enormes quanto à atriz principal! Estou torcendo loucamente pela Blanchett, mas a Meryl Streep, como sempre arrasa em Álbum de Família.
    beijo

O que você acha? Deixe uma resposta.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s