O que eu já assisti – Oscar 2016

Áureos tempos em que eu havia assistido a todos (ou quase todos) filmes concorrentes ao Oscar antes da premiação. Com criança pequena, eu conheço um ou outro filme, o que me permite participar moderadamente na torcida pelo favorito.

Do Oscar 2016 eu estava bem desatualizada. Como muita gente também não está tão por dentro (eita vida corrida!), sinto-me na “obrigação” de ajudar na escolha daqueles poucos que passarão pela peneira de serem assistidos – afinal das contas, há fases em que temos de ser seletivos com nosso tempo!

O filme ganhador do Oscar – “Spotlight” – é sim um ótimo filme. Só não diria que seria “O” filme de 2015/2016… Quando li a sinopse, tirei-o da minha lista. “Filme sobre padres católicos molestando crianças?”. “Não, não!”. Por sorte, meu irmão me fez mudar de ideia, explicando que a história concentra-se na investigação jornalística (real) feita por um grupo de um jornal de Chicago. E ainda que o tema seja pesado e a realidade por trás dele muito triste, o foco é o bom jornalismo, tão em baixa em tempos de “copie e cole” que vemos hoje em dia. Até aquele chato do Mark Ruffalo está bem no papel!

spotlight2

Um que eu adorei foi “Brooklyn”. Que delicadeza! Que fotografia! E, se posso dar uma de menina, que fofo! A irmã de Eilis quer que esta tenha mais oportunidades e, por isso, consegue um patrocínio para que ela viaje aos Estados Unidos e lá tente sua sorte. Eilis encara uma longa viagem de barco rumo ao desconhecido. No Brooklyn, tem ajuda de um carinhoso padre católico (um contraponto não intencional com ao padres de “Spotlight”), que lhe arruma teto e emprego.

Por um infeliz acontecimento, Eilis precisa voltar temporariamente à Irlanda. Essa volta a faz ficar dividida entre dois caminhos – dois bons caminhos – que sua vida pode tomar: voltar aos EUA, onde está um grande amor, ou continuar na sua terra natal, onde agora surgem oportunidades antes inexistentes de emprego e um bom rapaz para chamar de seu?

brooklyn2

E, por fim, um que eu NÃO gostei nem um pouco, exceção feita às roupas fenomenais de chiques e à atuação sempre impecável de Cate Blanchet: “Carol”. Que filme mais chato! Arrastado, entediante. A atração entre duas mulheres no início da década de 50: uma casada, rica, descontente com o marido, apaixonada por sua filhinha; a outra, bem jovem, pouca grana, pouca instrução, em um namoro sem graça. Agora imagine silêncios e olhares intermináveis que cansam. Se nem Cate Blanchet segura a chatice, duvido que alguém possa!

carol

Anúncios

2 comentários

  1. Gostei bastante de “Spotlight” (embora meu favorito continue sendo “A grande aposta”).
    Não me animei a ver “Brooklyn”. Sei lá, parece bonitinho, mas não me passou a impressão de ‘filme de Oscar’, sabe?
    “Carol” foi bem decepcionante para mim, já que adorei o livro. E ainda tinha a Cate Blanchett. Como acabou saindo tão sem graça?
    bjo

O que você acha? Deixe uma resposta.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s