Memória

A minha letra e a dificuldade de mantê-la bonita ao escrever erlenmeyer

A montanha de cascas de pistache ao lado do meu avô

O barulho da porta do armário de doces escondidos da minha avó, que eu e meu irmão nos esforçávamos para abrir em segredo

Os risquinhos de lápis na parede, que marcavam o avanço do meu pai para levantar o braço, após ele fraturar a clavícula e muitas costelas

A avalanche de brinquedos caindo da sacola da minha amiga de infância Anna Márcia, toda sexta-feira

A admiração do mundo adulto quando eu entrava no closet da minha mãe

O boneco comando em ação sem uma das pernas, que eu e meu irmão usávamos como motorista do tanque

O esforço para corrigir a rota quando eu nadava de pranchinha e me sentia entortar na raia

O pelo da Mamma Snif (minha cachorra de pelúcia)

 

Anúncios

1 comentário

O que você acha? Deixe uma resposta.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s