“Sombra e ossos”

Estava eu sedenta por uma história de fantasia. Com mágica, por favor! Só que o Patrick Rothfuss está há anos nos devendo o terceiro volume da saga O matador de Rei (vol 1 e vol 2 devidamente resenhados e amados), não tenho mais nadinha de Harry Potter para ler e o segundo volume da saga da Passa-espelhos só chega no segundo semestre. Na minha GIGANTESCA livraria pessoal de livros ainda não lidos não tinha nenhum de fantasia.

Então, internet está aí para nos ajudar, certo? Caí no buraco do coelho da Alice e sei lá como cheguei a uma youtuber dando dica de livros de fantasia. O nome da menina eu me esqueci, mas as dicas foram bem anotadas e comecei por “Sombra e ossos”, de Leigh Bardugo.

Na mosca!

sombraossos

É um livro YA, com escrita simples e construções de frases que às vezes me dão vontade de corrigir (talvez seja um problema da tradução?). Mas uma vez que eu aceitei estas características, fui tragada pela história e acabei o livro em três dias!

A curiosidade é tamanha que corri para comprar os seguintes dois volumes e já comecei a devorar o segundo.

A personagem principal é a Alina, jovem órfão que vive em Ravka. O país encontra-se em dificuldades econômicas e sociais em virtude da existência da Dobra ou Não-mar. A Dobra é uma espécie de fenda de norte a sul no país, onde a escuridão absoluta reina e  monstros (os alados volcras) atacam quem por ali atravessar.

Alina trabalha como cartógrafa e junto com Maly, seu melhor amigo (e paixão platônica), faz parte de uma esquife que vai atravessar o Não-mar. Atacados por volcras, Alina se joga sobre Maly para defendê-lo e inadvertidamente demonstra possuir um incrível poder de conjurar luz.

O Darkling, general do exército, a leva para a capital, onde ela será treinada junto com os Grishas, que são pessoas que possuem poderes especiais. Ela é vista pelo Darkling como a esperança de acabar com a Dobra.

No meio da atração pelo Darkling, da saudade de Maly, dos duros treinamentos e da dúvida sobre a força de seu poder, Alina se vê no meio de um jogo de intrigas de poder para o qual ela não é párea.

Há uma bem-sacada reviravolta, que me pegou totalmente desprevenida e fez eu me ver desesperada, pois não percebi que a história iria tomar este rumo (e tampouco queria esse rumo)! Não falo mais nada para não estragar a diversão de quem decidir se aventurar por Ravka 🙂

 

 

O que você acha? Deixe uma resposta.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s