mistério

“A décima terceira história”

 

foto por Júlia

 

Não é fácil uma história me fazer soltar um “aaaaah!” ao revelar a chave do mistério. Talvez por eu ler bastante, muitas vezes percebo as pistas que o escritor vai deixando na narrativa e descubro o que deveria ser surpresa. Diane Setterfield pode ter deixado pistas, mas foram tão bem encobertas que eu tomei um susto quando as peças do quebra-cabeça finalmente se encaixaram.

Vida Winter, a (fictícia) maior escritora inglesa da atualidade, convida Margaret para escever sua biografia. O pedido causa estranheza, pois, sendo conhecida a reclusão e privacidade que rondam a vida da Sra. Winter, por que teria ela escolhido uma jovem de pouca experiência?

Margaret aceita a tarefa sob a condição de que a Sra. Winter conte a verdade. Começa, então, a história das irmãs gêmeas, envoltas por segredos de família, fantasmas, ligações fraternais extremas e dúvidas sobre a veracidade do que a escritora conta à Margaret.

Para ser absorvido(a) por uma história, vá em frente.

“E no final, a morte”

Em comemoração ao 121° aniversário de Agatha Christie (15/set), resolvi ler mais um livro dela.

O escolhido foi a único que não é passado no século XX. Ao contrário de seus outros livros, Agatha resolveu ambientar este mistério no Egito antigo. Junto com o clima de “quem é o assassino?”, a autora usa seus conhecimentos (seu segundo marido era arqueólogo) para traçar o dia-a-dia de uma família rica no Egito, demonstrando seus costumes e modo de viver.

O começo é um pouco devagar, tendendo a uma descrição histórica da época. Depois da primeira morte, a história engrena.

Renisenb fica viúva e volta a morar com seu pai, irmãos, cunhadas e sobrinhos. Ao mesmo tempo, seu pai retorna à casa com uma concubina, Nofret, que passa a criar intrigas no seio familiar. Quando Nofret aparece morta, a dinâmica familiar muda. Outras mortes se seguem, atiçando a crença de que estas são parte de uma vingança sobrenatural. No entanto, alguns dos membros da família acreditam que as mortes se deram por mãos humanas…

O final me surpreendeu!