Do luxo de Dowton ao lixo de Camden

Maggie Smith poderia ser eterna. Ela convence como a rica, politicamente incorreta (para os dias atuais) e engraçadíssima Condessa Grantham do seriado “Dowton Abbey” com a mesma facilidade que nos faz crer ser uma pessoa em situação de rua no filme “A senhora da van”.

Antes de falar sobre o filme, queria fazer um pequeno comentário de cunho pessoal: eu adoro ir ao cinema com meu marido. É minha companhia preferida. Ele carinhosamente segura minha mão, ele gosta de ouvir o que eu falo e dividir suas impressões sobre a história, ele é curioso e muitas vezes vai atrás de mais informações sobre os eventos reais relacionados ao filme…

Fazia um bom tempo que não conseguíamos ir ao cinema (“Zootopia” com a filhota não conta). E quando finalmente conseguimos umas horinhas para um programa adulto, eu sorri e fechei aos olhos, saboreando o momento, enquanto as luzes do cinema iam se apagando.

Mas voltando ao filme…

“A senhora da van” é uma história verídica. Apesar do alerta no começo, eu me esqueci, tamanha a bizarrice dos acontecimentos. Mary Shepherd – se é que é seu verdadeiro nome – é uma senhora que vive em uma van. Como não tem banheiro próprio e é um pouco maluquinha, dá para imaginar a sujeira em que vive.

a-senhora-da-van.jpg

Ela estaciona sua van por aí. No recorte do filme, ela está em Camden Town, bairro londrino que na década de 70 começa a se valorizar. Ninguém quer aquela senhora fedida na frente de sua casa. Ninguém quer ser insensível e os vizinhos tentam fazer alguma caridade por ela, que nunca agradece.

Quando a Prefeitura proíbe que se estacione carros na rua onde ela costuma parar, uma solução surge: ela é “convidada” por um escritor, Bennet, a deixar sua van na vaga de garagem na frente do imóvel dele. Assim, ela continua morando do jeito que quer (na van, seguindo suas próprias regras) e não precisa sair de Camden.

Eu não entendi totalmente o motivo de Bennet ter feito tal oferta. O que era para ser temporário transforma-se em um arranjo permanente, sem que nenhuma das partes avance nenhum centímetro em direção à mudança: ela mudar de local de estacionamento ou aceitar ir para uma casa de idosos assistencialista ou ele pedir que ela saia ou fazer com que aceite outra alternativa de moradia.

O fato dessa situação peculiar ter interesse ao lado escritor de Bennet parece suplantar os incômodos que isso traz ao lado morador de Bennet…

O filme anda numa constante, sem nenhuma grande reviravolta ou grande clímax. É, por outro lado, um ótimo filme para buscar completar as complexidades destes dois personagens (em especial dela), não apresentadas numa bandeja ao espectador.

E, já que estou dada a devaneios pessoais hoje, uma frase dita por Bennet reverberou perfeitamente em mim. Ela diz que “to care” (que pode ser traduzido como “importar-se” ou “tomar conta”) tem muito a ver com merda (desculpem a palavra!). Quem tem filhos pequenos compreende totalmente essa frase, pois um dos pontos em torno do qual a sua vida passa a gravitar é do cocô de seu rebento. E tanto o cuidar, como o importar-se com seu filhote passa por ter de lidar com…cocô.

bexigaEu estou QUASE me convencendo de que nunca mais terei tempo de escrever posts bem pensados para o blog. Ainda não cheguei lá. Quero crer que voltarei a ser assídua aqui!

Já que não dá para eu escrever posts lindos e refletidos sobre o que anda acontecendo de bom, de ruim e de mediano na área do lazer livro-cinema-música-comida, vai um resuminho, só para não dizer que eu nunca mais dei uma boa dica para vocês!

“Um homem entre gigantes” – juntar genética/investigação médica e suspense é muito bom. Will Smith em excelente atuação (e olha que ele peca bastante na escolha dos papéis). Filme que conta a história de um médico legista que descobre uma doença neurológica decorrente dos impactos do jogo de futebol americano e começa uma luta contra a NFL, que obviamente quer abafar o caso.

“As sufragistas” – cada vez que vejo pessoas que sacrificaram a vida pessoal por um bem maior, dou graças por elas existirem. Confesso, sou medrosa, acomodada e individualista. Não conseguiria abandonar minha liberdade, conforto e família para lutar pelo direito das mulheres votarem, assim como essas maravilhosas inglesas fizeram, permitindo que nós sejamos ouvidas e participemos da vida política. Filme dos bons.

cd novo da Birdy – no primeiro momento foi uma decepção gigante. Achei que seria amor à primeira ouvida, como nos dois primeiros. É um cd muito produzido e o que eu mais gosto nela é a sua voz + piano. Estou ouvindo outras vezes, dando chance de gostar de “Beautiful lies”.

Continuo empacada em “Mr. Norrell & Jonathan Strange”. Não desisti. Sigo lendo 5 páginas por semana. Deve levar só mais 2 anos para terminar.

Mini-seriado demaaaaais que descobri no Netflix: “Códigos de Bletchley Park”. Inglesinhas (sempre elas <3) que durante a guerra eram “destruidoras de códigos”. Agora levam uma vida bem menos interessante, até que acabam por se reunir para desvendar uma série de homicídios.

E vocês, me contem o que anda fazendo de bom!!

Standstill

Comecei as 800 páginas de “Mr. Norrell & Jonathan Stange”, de Susanna Clarke, muito empolgada. Estou agora a passos de lesma, ao ponto de parecer que o marcador de livros não mudou de lugar.

Tantos filmes bons do Oscar e não tive tempo de ir ao cinema.

E também tem os da AppleTv e do Netflix, só que o sono ganha de mim.

As ideias para posts surgem para logo serem afastadas pelas tarefas do trabalho ou do cotidiano do ser adulto.

Minhas amigas e eu não conseguimos decidir por uma data para nos encontrarmos.

A pilha de revista está juntando pó.

Há fases de “suspensão”. Não vou lutar contra ela. Vou deixar o tempo do mundo reorganizar meu tempo a seu próprio tempo.

O que eu já assisti – Oscar 2016

Áureos tempos em que eu havia assistido a todos (ou quase todos) filmes concorrentes ao Oscar antes da premiação. Com criança pequena, eu conheço um ou outro filme, o que me permite participar moderadamente na torcida pelo favorito.

Do Oscar 2016 eu estava bem desatualizada. Como muita gente também não está tão por dentro (eita vida corrida!), sinto-me na “obrigação” de ajudar na escolha daqueles poucos que passarão pela peneira de serem assistidos – afinal das contas, há fases em que temos de ser seletivos com nosso tempo!

O filme ganhador do Oscar – “Spotlight” – é sim um ótimo filme. Só não diria que seria “O” filme de 2015/2016… Quando li a sinopse, tirei-o da minha lista. “Filme sobre padres católicos molestando crianças?”. “Não, não!”. Por sorte, meu irmão me fez mudar de ideia, explicando que a história concentra-se na investigação jornalística (real) feita por um grupo de um jornal de Chicago. E ainda que o tema seja pesado e a realidade por trás dele muito triste, o foco é o bom jornalismo, tão em baixa em tempos de “copie e cole” que vemos hoje em dia. Até aquele chato do Mark Ruffalo está bem no papel!

spotlight2

Um que eu adorei foi “Brooklyn”. Que delicadeza! Que fotografia! E, se posso dar uma de menina, que fofo! A irmã de Eilis quer que esta tenha mais oportunidades e, por isso, consegue um patrocínio para que ela viaje aos Estados Unidos e lá tente sua sorte. Eilis encara uma longa viagem de barco rumo ao desconhecido. No Brooklyn, tem ajuda de um carinhoso padre católico (um contraponto não intencional com ao padres de “Spotlight”), que lhe arruma teto e emprego.

Por um infeliz acontecimento, Eilis precisa voltar temporariamente à Irlanda. Essa volta a faz ficar dividida entre dois caminhos – dois bons caminhos – que sua vida pode tomar: voltar aos EUA, onde está um grande amor, ou continuar na sua terra natal, onde agora surgem oportunidades antes inexistentes de emprego e um bom rapaz para chamar de seu?

brooklyn2

E, por fim, um que eu NÃO gostei nem um pouco, exceção feita às roupas fenomenais de chiques e à atuação sempre impecável de Cate Blanchet: “Carol”. Que filme mais chato! Arrastado, entediante. A atração entre duas mulheres no início da década de 50: uma casada, rica, descontente com o marido, apaixonada por sua filhinha; a outra, bem jovem, pouca grana, pouca instrução, em um namoro sem graça. Agora imagine silêncios e olhares intermináveis que cansam. Se nem Cate Blanchet segura a chatice, duvido que alguém possa!

carol

Começar 2016 no desapego

Na “nóia” (só essa palavra descreve meu estado) de me desapegar que se seguiu à “A mágica da arrumação” (depois faço um post contando a experiência reveladora que se seguiu a este livro), comecei a refletir que precisava me desapegar não só de objetos. Na lista deveriam estar inclusas pessoas, hábitos, atividades… É meu projeto para 2016, me desapegar do que/de quem não funciona mais ou que, ainda que seja legal, não cabe mais no tempo que tenho disponível.

Bem nessa pegada é o texto da Elizabeth Gilbert, cuja tradução li no blog Microclima.

Vale a pena ler mil vezes e refletir mil e uma.

 

EU AMO VOCÊ, MAS ESTOU ME DESPEDINDO

Quantas vezes, na sua vida, você precisou dizer essa frase?

Você precisa dizê-la mais uma vez?

Não estou falando de despedir-se de um relacionamento, mas de despedir-se de coisas que você ama, mas que estão lhe impedindo de seguir o caminho que você precisa seguir.

Você pode amar cigarros, por exemplo, e saber que eles não estão lhe ajudando em nada.

Você pode amar a sua cidade natal e, ao mesmo tempo, saber que precisa ir embora.

Você pode amar a sua casa e saber que ela é muito grande para você.

Você pode amar as pessoas com as quais trabalhou durante dez anos, mas talvez seja a hora de se despedir delas e começar a procurar um novo emprego.

Você pode amar sair para tomar uns drinques com os amigos no final do dia, mas você sabe que isso lhe deixará muito cansado para se dedicar às suas paixões pelo resto da semana.

Na turnê de Big Magic, no final das apresentações, perguntei ao público sobre as coisas para as quais eles precisam começar a dizer “não” para, assim, obter mais tempo e energia para as coisas que realmente querem fazer.

Percebi que o principal motivo pelo qual as pessoas não estão exercitando a própria criatividade é que elas não têm tempo ou energia para isso – especialmente depois de gastarem toda a sua energia com os outros.

Há algum tempo, enquanto eu estava lutando para me tornar escritora, uma senhora muito sábia me perguntou, certa vez: “De que você está disposta a desistir para ter a vida que você diz que quer ter?”.

Respondi que ela tinha razão. “Eu realmente preciso começar a aprender a dizer não para as coisas que não quero fazer.”

Ela me corrigiu: “Não. É um pouco mais complicado que isso. Você precisa aprender a dizer não para as coisas que você QUER fazer, sabendo que a sua vida é uma só, e você não tem tempo e energia suficientes para dar conta de tudo”.

Foi então que parei de assistir TV. (Não se preocupem, já voltei a assistir TV!) Durante alguns anos, nos meus vinte e poucos, quando estava tentando desesperadamente descobrir como escrever melhor e me tornar uma autora publicada, tive de dizer à TV: “Eu amo você, mas estou me despedindo”.

Porque eu sabia o que queria fazer (escrever) e sabia como queria fazê-lo (alegre e energicamente)… então comecei a me despedir de muitas coisas.

Você ficaria chocado se eu lhe contasse algumas das coisas às quais tive de dizer não. Oportunidades maravilhosas. Aventuras deslumbrantes. Experiências divertidas. Chances de conhecer pessoas incríveis. E alguns convites para uns drinques com amigos durante a semana (e nos finais de semana também).

Eu adoraria ter podido fazer todas essas coisas, mas sou uma só. Sabia o que queria fazer de verdade na minha vida, e sei o que é preciso para manter o foco e a dedicação.

Repitam comigo: “Eu amo você, mas estou me despedindo”.

Não sei de que você precisa se despedir para começar a viver a vida que diz que quer viver.

Mas creio que, talvez, você saiba.

Já está na hora?

LG

“Miniaturista”

miniaturista

Foto por Júlia A. O.

Sabe quando você fica esperando aquele momento do livro em que você será fisgado pela história? E quando ele só acontece nas páginas finais? Um tanto decepcionante, não?

Essa foi a experiência com “Miniaturista”, de Jessie Burton.

A história é boa e eu racionalizava que logo eu estaria tão presa a ela que correria para pegar o livro. Infelizmente, faltavam poucas páginas quando eu percebi que certa expectativa minha não seria preenchida e que era melhor eu me focar em outro aspecto da história, correndo o risco de, não mudando o foco, desgostar da leitura.

Na rica Amsterdã do século XVII, Petronella (ou Nella) é uma garota de dezoito anos que saí de sua cidade do interior para se casar com o rico comerciante Johannes Brandt. Como o casamento foi arranjado, costume da época, ela não sabia o que encontraria na sua nova casa.

Com o que ela se depara? Um marido ausente, uma cunhada rígida e desagradável, uma criada intrometida e um empregado negro, algo que ela nunca havia visto em sua vida. Os dias passam desanimados até que ela ganha de seu marido uma gigantesca casa de bonecas. Para preencher o tempo e desfrutar do presente, Nella encomenda algumas miniaturas. Só que tais miniaturas parecem prever o futuro. A garota fica assustada, fascinada e confusa com a mensagem que parece lhe estar sendo transmitida por meio dos pequenos objetos.

Digam se a sinopse não é empolgante? E que não eleva as expectativas às alturas?

“A abadia de Northanger”

Adoto todos os filmes baseados nas obras de Jane Austen. E já havia lido “Razão e sensibilidade” para ter a certeza em minha cabeça de que a acho incrível, revolucionária para época, além de ser exatamente o tipo de história de amor que me faz suspirar. O problema é que fazia tanto tempo que eu havia lido sua obra mais famosa, que já não me recordava se havia gostado da escrita da autora inglesa…

Uma linda capa rosa me chamou a atenção. “A abadia de Northanger”. Nome promissor. “Jane Austen”. Boa! Já para minha casa!

abadia

(foto por Júlia A. O. – filtro #acolorstory)

Este livro é uma de suas primeiras obras, porém somente foi publicado décadas após ter sido escrito. Na nota explicativa no começo do livro, a própria Jane desculpa-se caso haja alguma imprecisão dado o tempo transcorrido (o que para uma pessoa do século XXI não é perceptível) e afirma desconhecer os motivos pelos quais alguém compraria os direitos de sua obra para não publicá-la de imediato.

Talvez por ser uma de suas primeiras incursões na arte de escrever um livro e ela ainda estar aprimorando sua técnica, pareceu-me que o final veio apressado, como se faltassem algumas páginas entre o clímax e o desfecho. Feita esta ressalva, a história é uma delícia de ler e o livro foi devorado em poucos dias.

Catherine é uma menina ingênua, curiosa e leitora voraz de livros góticos. É convidada a passar uma temporada em Bath, cidade que lhe apresenta diversões até então desconhecidas, como teatro e dança, assim como lhe traz novos amigos.

Convidada pelo pai de um deles a conhecer sua propriedade, a Abadia de Northanger, Catherine vibra com a ideia de desvendar mistérios em uma construção gótica semelhante àquelas que vê reproduzida nos seus amados livros.

Pena que a realidade não se igual aos livros… Os assuntos do coração, por outro lado, a farão perceber que a vida fora dos livros pode ser tão ou mais recompensadora que aquele da ficção.